2021 deve ser o ano da retomada dos lançamentos imobiliários

Postado em 19 de janeiro de 2021 por

Redução dos estoques, alta demanda e condições facilitadas para financiamento impulsionam a oferta de novos empreendimentos ao mercado

2021 deve ser o ano da retomada dos lançamentos imobiliários
Redução dos estoques, alta demanda e condições facilitadas para financiamento impulsionam a oferta de novos empreendimentos ao mercado

Contrariando as expectativas, o ano de 2020 foi marcado pelo crescimento da demanda por imóveis, principalmente residenciais. O terceiro trimestre do ano viu um aumento na quantidade de lançamentos, o que deve continuar agora em 2021, segundo apontam os especialistas do mercado imobiliário e construtoras. Entre os motivos apontados para esta retomada estão as condições facilitadas de financiamento, principalmente na redução histórica da taxa de juros, segundo afirma o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES), Sandro Carlesso.

De acordo com Carlesso, no início do isolamento social provocado pela pandemia havia uma descrença no mercado, o que retraiu boa parte dos lançamentos que estavam planejados para 2020. Mas, com as pessoas passando mais tempo dentro de casa, muitos decidiram ressignificar o seu lar e buscar outras opções de moradia, e o meio digital foi uma das principais ferramentas para realização de negócios imobiliários durante esse período.

Assim, o empresário começou a pensar em lançamentos. Já estamos vendo alguns sendo feitos. A retomada da economia deve ser um fator a mais para impulsionar o setor em 2021”, observa Carlesso.

Já o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Espírito Santo (Sinduscon-ES), Paulo Baraona, afirma que é esperada uma recuperação no setor, mas ainda há entraves que podem atrapalhar o desenvolvimento. O especialista aponta como barreiras a própria pandemia, as reformas prometidas e ainda não cumpridas pelo governo federal e até a falta de materiais no mercado. “Apesar disso, estamos esperançosos”, completa.

O pensamento positivo vem de dados de 2020 que foram favoráveis. De acordo com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), as vendas de imóveis cresceram cerca de 9,7% nos últimos meses. Para 2021, as perspectivas são ainda mais animadoras, com lançamentos de novos empreendimentos, que prometem aquecer a economia e gerar empregos.

LANÇAMENTOS

A esperança também acompanha o diretor-presidente da Argo Construtora, Valtair Torezani. “As vendas do último ano surpreenderam os gestores da empresa. Conquistamos, inclusive, um patamar histórico. Para os próximos três anos, temos uma perspectiva ainda melhor e temos projetado lançar mais de R$ 1 bilhão de Valor Geral de Venda (VGV) na Grande Vitória. Essa perspectiva positiva é em função, principalmente, do nosso sucesso de vendas e do momento atual das taxas de juros, que estão em queda”, pontua Torezani.

O diretor-presidente da Grand Construtora, Rodrigo Barbosa, também espera um ano otimista para a economia, em especial para o setor da construção civil. “Vivermos 2020 foi importante para que enxergássemos a relevância de valorizar o que construímos, em todos os aspectos. Para muitos, a moradia era apenas um local de ‘passagem’. Passava-se pouco tempo aproveitando o interior da nossa casa. Agora, vemos que qualidade de vida é poder desfrutar de cada canto dela”, destaca.

Atenta aos resultados positivos da construtora em 2020, a diretora da Kemp Engenharia, Rubia Zanelato, está de olho nas tendências do mercado imobiliário. “A boa performance do mercado imobiliário surpreendeu a todos, afinal, como a maioria, esperávamos uma queda na procura por apartamentos para compra. Mas, aconteceu o inverso”, relata.

Segundo ela, mesmo com as incertezas e crises decorrentes da pandemia, as vendas de imóveis se mantiveram aquecidas. Rubia destaca ainda que a empresa já prepara um lançamento para este ano.

Outra empresa que aposta na retomada do mercado é a CG Engenharia, que está com um lançamento já atendendo ao novo perfil de público. O AM100 – Edifício Alice Madeira, em Jardim Camburi, na Capital, já está na fundação e traz novidades em itens de sustentabilidade e áreas comuns com espaço de coworking que inclui um lounge para reuniões, instalações para telefonia e internet, além de áreas para conferências e estudos.

“As pessoas estão valorizando cada vez mais o espaço e as comodidades que elas têm por perto. Por isso, escolhemos reunir essas tendências e lançar o Edifício Alice Madeira já com o que há de mais moderno e pensando no futuro”, conta a diretora comercial da CG Engenharia, Flávia Gimenes.

NOVOS EMPREGOS

Com o lançamento de novos empreendimentos programados para 2021, a economia também deve ser movimentada, principalmente em relação à geração de novos postos de trabalho. Segundo o presidente do Sinduscon, o setor possui cerca de 40 mil postos de emprego diretos. “A expectativa é que melhoremos um pouco em 2021, mas ainda temos ameaças no meio do caminho.”

Uma das empresas que já está planejando esses novos postos de trabalho é Argo Construtora, que deve gerar cerca de 2,1 mil vagas, diretas e indiretas, para este ano, com o lançamento de novos empreendimentos programados para 2021, e cerca de outras 1 mil para 2022 e 2023, segundo afirma o diretor-presidente da construtora, Valtair Torezani.

Já a Vaz Desenvolvimento Imobiliário se prepara para lançar um projeto de grande porte em Santa Leopoldina, na Região Serrana, com a construção de um equipamento turístico e imobiliário na região, que reúne condomínio de chácaras, restaurante e hotel. O lançamento seria em 2022, mas com a grande procura de lugares em que se possa viver com mais tranquilidade, espaço, segurança e refúgio, foi antecipado.

“Adiantamos o lançamento para 2021 com o intuito de proporcionar um ambiente em que as pessoas possam desfrutar de entretenimento, ter sua casa em um condomínio de chácaras com conceito clube e qualidade de vida. Um ambiente rural, com áreas verdes, conforto, diversos espaços de lazer, mas bem próximo da cidade”, explica o diretor-presidente da Vaz Desenvolvimento Imobiliário , Douglas Vaz.

Segundo Vaz, o empreendimento, na fase de implantação do condomínio de chácaras, irá gerar 80 empregos diretos e 100 indiretos. Já para a construção de casas serão aproximadamente 400 vagas. Para o funcionamento do hotel e restaurante serão cerca de 50 empregos diretos. Além disso, outras 40 vagas serão necessárias para o Projeto Eco Vaz. Esses profissionais serão responsáveis pela recuperação e reflorestamento das nascentes, monitoramento dos lagos e educação ambiental dentro do condomínio.

Fonte: A Gazeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *