SindusCon-SP lança Guia Metodológico de Cálculo de Pegada Hídrica

Postado em 2 de outubro de 2020 por

No dia 26 de novembro, no Seminário Conservação de Água e Uso de Fontes Alternativas em Edificações – Diferencial Competitivo para Empreendimentos, foi lançado o Guia Metodológico de Cálculo de Pegada Hídrica em Edificações, realização do SindusCon-SP com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Caixa, tendo como consultora técnica a empresa Infinitytech Engenharia e Meio Ambiente.

Na ocasião, Haroldo de Oliveira Machado Filho, especialista em Desenvolvimento Sustentável do PNUD, enfatizou a importância do guia para a execução de políticas públicas eficazes e lamentou que o Brasil não atingirá a meta da ONU de universalização do saneamento básico até 2030 e dificilmente o fará até 2050.

Para o gerente executivo de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental da Caixa, Morenno de Macedo, a participação da Caixa é relevante para ratificar o engajamento da instituição na indução de práticas e processos mais sustentáveis no setor da construção civil. “Além disso, permite à Caixa alcançar maior profundidade nos assuntos relacionados à gestão eficiente e responsável de recursos hídricos, retroalimentando a sua estratégia para que sejam ofertados produtos e serviços alinhados às demandas do setor e da sociedade”, afirma.

O lançamento do Guia, segundo Macedo, visa orientar a mensuração da quantidade de água apropriada no setor de edificações por meio de métricas claras e padronizadas, o que permitirá avaliações comparativas e subsidiará tomadas de decisão que potencializem a adoção de práticas positivas e racionalizem a gestão de recursos hídricos.

Águas Subterrâneas

Como uma entidade que fomenta o conhecimento científico, a valorização profissional e acompanha diversas leis, regulamentos e normas relativas aos poços e águas subterrâneas no Brasil, a Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (Abas) considera muito importante divulgar o tamanho e importância das águas subterrâneas, além de seu uso legal e sustentável. “Afinal estas águas abastecem 52 % dos municípios brasileiros e um grande percentual de nossa população”, destaca o presidente da entidade, João Paulo Netto.

Segundo Netto, a população mundial está se concentrando cada vez mais em grandes cidades, que necessitam de abastecimentos para consumo humano, além de água para agricultura, indústria e os mais diversos usos. “Desta forma precisamos atuar na preservação deste recurso, utilizando a tecnologia a nosso favor, para garantir que as gerações futuras não venham a sofrer com a escassez, que já nos atinge”.

Fernando de Barros Pereira, vice-presidente da General Water, ressaltou que o reuso de água e a sua regulamentação são a chave para garantir a segurança hídrica das futuras gerações e reduzir o impacto humano no meio ambiente. “Para que essa mensagem seja difundida, é fundamental que discussões como essa ocorram e conscientizem os principais setores da economia, como o da construção civil”.

Consumo

Não se gerencia o que não medimos. Assim Eduardo Lacerda, gerente geral da Techem do Brasil, explica a preocupação com a baixíssima disponibilidade hídrica na região metropolitana de São Paulo. “Esses dados não são de conhecimento de todos e essa baixa conscientização torna difíceis as mudanças de hábitos dos habitantes da região”, afirma.

Este é um tema de extrema importância para a sociedade. “Mostrar as possibilidades que a gestão de consumo individual em edifícios traz me parece uma oportunidade especial, pois cada vez mais moramos em condomínios. A verticalização é o caminho para grandes metrópoles como São Paulo”, ressalta Lacerda.

Para Lacerda, é necessária uma política de Estado em relação ao tratamento da água de forma a criar uma maior conscientização sobre o seu consumo de forma eficiente. “Nossa experiência retrata a mudança de comportamento registrada em mais de 100.000 famílias, com consumo antes e depois da medição. Um medidor de água traz a consciência, pois passa-se a enxergar o consumo real”, diz.

Fonte: SindusCon-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *