O controle da qualidade das estruturas de concreto reforçado com fibras

Postado em 22 de abril de 2021 por

O concreto reforçado com fibras (CRF) é um material compósito, caracterizado por uma matriz de concreto estrutural com fibras descontínuas e os elementos de concreto reforçado com fibras e os elementos estruturais são elaborados com concreto reforçado com fibras que não possuem qualquer tipo de armadura. O concreto reforçado com fibra está ganhando um interesse cada vez maior entre a comunidade de concreto pela redução do tempo de construção e dos custos de mão de obra.

Por esta razão, muitos elementos estruturais são agora reforçados com fibras de aço em substituição parcial ou total do reforço convencional (vergalhões ou malha soldada. Além de questões de custo, questões de qualidade são de suma importância para uma construção e o CRF também atende a esses requisitos, uma vez que as fibras permitem trincas mais distribuídas com uma abertura menor que aumenta a durabilidade. Novos materiais de construção requerem padrões para medir suas propriedades mecânicas e códigos de construção ou diretrizes para projetos estruturais.

No que diz respeito ao CRF, as diretrizes de projeto já estão disponíveis em alguns países e elas revelam que o projeto estrutural é geralmente baseado em valores de projeto dos parâmetros do material que são normalmente determinados pela divisão dos valores característicos por um fator de segurança parcial. As propriedades mecânicas do CRF são tradicionalmente determinadas a partir de testes de vigas que geralmente são baseados em esquemas de flexão de três ou quatro pontos.

Deve-se entender o desempenho mecânico para estruturas de concreto reforçado com fibras (CRF) para atuação isolada ou em conjunto com as armaduras, para elementos estruturais e placas que apresentem capacidade de redistribuição de esforços considerando a interface com meio elástico, dimensionados e verificados no estado-limite último (ELU) e no estado-limite de serviço (ELS). Além disso, deve-se compreender os procedimentos para a qualificação inicial do CRF e para o controle tecnológico durante a sua produção, incluindo os critérios para a sua aceitação na obra.

Da Redação

Normalmente, a presença de fibras aumenta a capacidade de resistência à torção, no entanto ainda não estão disponíveis modelos para consideração em projeto. Assim, para essas aplicações, os modelos devem ser comprovados por meio de experiências em elementos de tamanho real. O dimensionamento de elementos de superfície submetidos a solicitações normais oriundas de flexão e/ou compressão ou tração deve compatibilizar a capacidade resistente última da seção transversal com os esforços solicitantes últimos.

Para painéis sem armadura longitudinal carregados no plano, a verificação nos ELU e ELS deve ser feita por meio de critério de ruptura biaxial, considerando as resistências à tração direta fFts ou fFtu, de acordo com o estado-limite considerado. Para placas apoiadas em meio elástico, a análise estrutural deve ser feita com um modelo estrutural realista, que permita representar a interação solo-estrutura e que permita também representar a resposta não linear do material CRF.

Fonte: Revista AD Normas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *