Engenheiro e CEO: busca por autonomia leva profissionais a altos cargos de liderança

Postado em 9 de março de 2021 por

A profissão é a mais presente entre CEOs de empresas e donos de grandes negócios

O mercado de trabalho está em constante mudança, e a tecnologia, cada vez mais intrínseca à sociedade, está ao alcance de muitos, o que permite e influencia o surgimento de novas profissões e a transição de profissionais entre as mais diversas áreas. Um exemplo disso é o aumento de engenheiros em cargos de liderança de grandes empresas e donos de seus próprios negócios.

No Brasil, a edição de 2020 do prêmio Executivo de Valor, do jornal Valor Econômico, criado em parceria entre os grupos Folha e Globo, premiou 23 gestores por suas habilidades de liderança e gestão. Entre os premiados, 11 são engenheiros. Além disso, de acordo com a lista de 2018 dos 100 melhores CEOs (Chief Executive Officer – diretor executivo, em tradução livre) do mundo, da Harvard Business Review, publicação da Harvard Business Publishing, 34 nomeados eram formados em engenharia.

Adaíla Lopes, engenheira civil graduada pela Unifor. — Foto: Arquivo pessoal

Adaíla Lopes, engenheira civil graduada pela Unifor. — Foto: Arquivo pessoal

O curso de engenharia é amplo, e oferece aos seus estudantes e futuros profissionais um leque de habilidades para que possam atuar em diversos setores, dentro e fora de seu campo de formação. De acordo com Adaíla Lima, engenheira civil graduada pela Universidade de Fortaleza, instituição da Fundação Edson Queiroz, no ano de 1991, “a habilidade em trabalhar com planilhas, cálculos e números, a visão sistêmica e a facilidade em lidar com projetos complexos, fazem com que engenheiros de formação sejam atraídos para essas outras áreas”, afirma.

Joelton Gondim, sócio proprietário da Classe A Engenharia. — Foto: Arquivo pessoal

Joelton Gondim, sócio proprietário da Classe A Engenharia. — Foto: Arquivo pessoal

O perfil analítico e estratégico, desenvolvido na graduação e aprimorado com as experiências ao longo da trajetória profissional, somado à habilidade de tomada rápida de decisões e resolução de problemas, contribui para que os engenheiros alcancem posições elevadas em empresas privadas, ou decidam se aventurar no universo do empreendedorismo. Um exemplo de engenheiro empreendedor é Joelton Gondim. Graduado no curso de Engenharia Civil pela Unifor em 2019, e sócio proprietário da Classe A Engenharia, Joelton afirma que ser dono do próprio empreendimento “nos dá mais sensibilidade e visão quanto a novos negócios, como captar recursos, como utilizar tendências de mercado, itens estes que na posição de colaborador, você não se desenvolve muito, pois a visão é de melhorar em seu setor e otimizar o seu dia”.

Além dos conhecimentos técnicos adquiridos na faculdade, o profissional da engenharia está cada vez mais em busca de desenvolver as chamadas soft skills (habilidades comportamentais), como a comunicação eficaz, a escrita e técnicas de negociação, o que o torna um profissional completo aos olhos do mercado de trabalho. Essa combinação de hard skills (habilidades técnicas) com soft skills, torna o perfil do engenheiro ainda mais atrativo para altos cargos executivos.

Érico Campos, engenheiro civil graduado pela Unifor. — Foto: Arquivo pessoal

Érico Campos, engenheiro civil graduado pela Unifor. — Foto: Arquivo pessoal

Érico Campos, empresário do ramo de construção civil e graduado em engenharia civil pela Universidade de Fortaleza em 2004, diz que, ao assumir posições elevadas em empresas ou abrir o próprio negócio, é necessário saber a necessidade do mercado e entender sempre a necessidade do cliente. Adaíla Lima, que atualmente trabalha em regime de home office e atua na área de engenharia diagnóstica, acrescenta: “Você precisa enxergar muito além, precisa sair fora da caixa, ter visão de futuro e priorizar as suas atividades”.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *