Braskem investe mais de R$ 430 milhões em projetos e na manutenção de suas unidades do Grande ABC

Postado em 11 de abril de 2021 por

Por meio da ação, que está sendo planejada e executada há dois anos, a companhia implementará mais de 40 iniciativas com foco no aumento de confiabilidade da operação.

De acordo com, a Braskem inicia, nesta segunda-feira, dia 5 de abril, a paralisação de parte de sua operação no Polo Petroquímico do Grande ABC (SP), para realizar a Manutenção Planejada (MP) das unidades de Químicos e Polietilenos (Q3 CK, Q3 IN e PE7). Ainda mais, a ação está sendo planejada há cerca de dois anos tendo inclusive, já iniciado a implementação de algumas iniciativas.

Ao todo, a companhia investirá mais de R$ 430 milhões em cerca de 40 projetos de melhorias e manutenção do complexo, que têm como foco a segurança, ainda mais, o aumento da confiabilidade da operação e a otimização energética.

“A segurança é um valor inegociável para a Braskem e está elencada como prioridade entre nossos macro-objetivos para o desenvolvimento sustentável. Nossa meta é estar entre as referências da indústria no setor químico mundial. De acordo com nosso último Relatório Anual publicado em 2019, este objetivo já estava 72,3% alcançado, mas queremos aumentar este percentual”, explica Luís Pazin, diretor industrial da regional São Paulo.

A Manutenção Planejada é um procedimento regulado no setor industrial, que ocorre obrigatoriamente em períodos determinados para atender a legislação brasileira NR13 e também para a implementação de melhorias que mantém a fábrica operando com qualidade e segurança.
“Além disso, da revisão padrão, a MP é uma oportunidade para introduzir novas tecnologias para correção de possíveis obsolescências de sistemas de controle e instrumentação. Esse tipo de intervenção garante que os equipamentos não tenham falhas enquanto estiverem em operação, aumentando a confiabilidade até a próxima manutenção planejada”, afirma Pazin.

A Braskem possui a certificação do Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos (SPIE), concedido pelo Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), que garante à petroquímica a realização deste procedimento a cada seis anos. Sendo assim, esta conquista está relacionada com o comprometimento da companhia com a segurança e o reconhecimento por suas iniciativas.

Para garantir que a cadeia de valor não sofra impactos durante a MP, a Braskem planejou o aumento de seu estoque. Além disso, a companhia atua em sinergia com clientes e, em alguns casos, as manutenções são realizadas simultaneamente, otimizando este momento.

A principal iniciativa que será implementada durante a MP é a modernização do sistema elétrico que atende à central petroquímica Q 3 CK.Enfim, o projeto prevê a troca de turbinas à base de vapor por motores elétricos de alto rendimento suportados por uma nova unidade de cogeração de energia alimentada por gás residual do processo de produção petroquímica.Além disso, essa mudança estrutural permitirá que o processo produtivo da fábrica se torne energeticamente mais eficiente,com redução no consumo de energia estimada ao equivalente gasto por uma cidade com um milhão de habitantes.

“Com a cogeração combinada de energia elétrica e gás, vamos consumir menos energia e emitir ainda menos gases de efeito estufa. Afinal, a estimativa é uma redução de 11,4% no consumo de água e de 6,3% nas emissões de CO2 na unidade, o que reforça nosso compromisso de nos tornarmos uma empresa carbono neutro até 2050”, explica Alberto Amano, responsável por projetos da regional São Paulo.

Fonte: www.abcreporter.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *